5gyres-capa.jpg
Quase metade de todo o plástico produzido pelo homem termina no mar/Fotos: 5Gyres

“Dê uma olhada ao seu redor. Quase tudo que nós comemos, bebemos ou usamos está, de alguma forma, embalado em plástico – um material fabricado para durar para sempre e que, ainda assim, é utilizado em produtos que nós jogamos fora logo após o uso”.

A afirmação acima foi feita pelos organizadores do projeto 5Gyres – uma excursão que teve início no dia 08 de janeiro e irá percorrer os oceanos do mundo tentando compreender os problemas causados pelo plástico através da exploração, educação e ação.

Idealizada pelo casal de pesquisadores Marcus Eriksen e Anna Cummins, a viagem fará o primeiro estudo sobre poluição marinha por plásticos em todos os cindo pontos críticos do planeta e conta com o apoio de organizações e pesquisadores renomados, como o Capitão Charles Moore, fundador da Fundação de Pesquisa Marinha Algalita (AMRF).

Mais grave do que podemos ver

O problema, segundo os organizadores do projeto, é que “o plástico foi criado para durar para sempre, mas desenhado para ser jogado fora”. O estímulo constante ao consumismo fortalece o ciclo de exploração, fabricação, uso e descarte de tudo que o dinheiro pode comprar- consequência de uma cultura do “jogar fora” que não avalia os problemas que tudo isso pode causar.

5gyres-02.jpg
Os cientistas Marcus Eriksen e Anna Cummins irão percorrer os oceanos para estudar os impactos do plástico

“Há uma geração atrás, nós embalávamos nossos produtos em embalagens recicláveis e reutilizáveis, como vidro, metal e papel, e desenhávamos os produtos para que eles durassem”, afirmam. “A consequência disso é que hoje, nossos aterros e as praias são inundados em embalagens plásticas e produtos descartáveis que não têm valor no final do seu ciclo de vida curto”, concluem.

Para agravar essa “conduta conveniente de usar e jogar fora”, a humanidade recicla apenas 5% de todo o plástico que produz. Os 95% que sobram se dividem entre o aterro (cerca de 50%) e um destino inexato, perdidos em diversos caminhos que levam sempre para o mar.

“Grande parte do plástico que geramos na terra seguem até os nossos oceanos através de bueiros e bacias hidrográficas. Ele cai de caminhões, caixotes e contêiner de lixo, ou são jogados descuidadamente pelas pessoas”, explicam.

Graças à dinâmica das correntes marítimas, todo esse plástico acaba “girando” em redemoinhos no meio de mar e se acumulam em locais específicos. O Giro do Pacifico Norte, uma das regiões mais pesquisadas por estudiosos de todo o mundo, é uma área duas vezes maior que os Estados Unidos formada por uma “sopa de plástico” que flutua livremente no mar.

Mas o Pacífico Norte não é o único a ser atingido pelo plástico descartado em terra firme. “Há cinco grandes giros oceânicos em todo o mundo, com vários giros menores no Alasca e na Antártida. Os pesquisadores ainda não têm dimensão de quanto lixo plástico existe nos oceanos do mundo”, dizem os organizadores do projeto.

5gyres-03.jpg
Um dos cinco giros possui o tamanho duas vezes maior que os Estados Unidos

Perigo em alto mar

Quando chega ao mar, todo esse lixo se transforma em um perigo para as espécies marinhas. “No oceano, estes plásticos flutuam na superfície e a luz solar e a ação das ondas acaba fragmentando-os em partículas cada vez menores, mas que nunca desapareceram completamente”, explicam os membros do projeto.

Eles contam ainda que essas partículas agem como ímãs para algumas substâncias tóxicas, como os PCB (policlorobifenilos), DDT (dicloro-difenil-tricloroetano) e POPs (poluentes orgânicos persistentes).5gyres-04.jpg

“Estes produtos químicos hidrofóbicos não se misturam com a água, mas são absorvidos pelo plástico. Alguns investigadores já documentaram que um pedacinho de plástico pode conter uma concentração desses poluentes orgânicos até um milhão de vezes maior que a encontrada na água do mar ao redor dele”, afirmam.

E o que acontece com todo esse plástico carregado de substâncias tóxicas? Pode ser ingerido por peixes, tartarugas e outras espécies marinhas que os confunde com alimento. Dentro do organismo esse plástico pode causar bloqueios internos, desidratação, inanição e morte. Com isso, muitos especialistas estão preocupados com as consequências que essas substâncias podem causar ao longo da cadeia alimentar, chegando, inclusive, ao ser humano.

Enquanto os efeitos potenciais à saúde humana permanecem desconhecidos, cientistas já estimam que perto da metade de todas as espécies de pássaros marinhos, todas as espécies de tartarugas marinhas e 22 espécies de mamíferos marinhos ferem-se ou morrem por causa do lixo plástico, seja pela ingestão, enredamento ou estrangulamento, antes que os detritos sejam quebrados em fragmentos minúsculos.

Problema sem solução

“Não podemos reciclar nem limpar essa sujeira que já está lá fora,” diz Eriksen. “Não estamos olhando para uma grande acumulação de pedaços visíveis de plásticos, mas para uma sopa difusa de micro-partículas”, lembra o cientista.

5gyres-05.jpg
O plástico fragmentado entra na cadeia alimentar e os cientistas estão estudando se ele pode impactar a saúde dos homens

A única alternativa seria, portanto, parar o problema na sua fonte. Para isso, os navegadores defendem legislações que obriguem as empresas a tomarem para si a responsabilidade de recuperar e reutilizar os seus produtos, incluindo incentivos econômicos para promover a recuperação e a extinção dos produtos descartáveis. “Essas legislações poderão ainda criar oportunidades para o surgimento de produtos inteligentes e inovadores”, acreditam.

Já os consumidores deverão fazer a sua parte e reforçar o consumo consciente. Reduzir o uso e a compra de produtos de plástico, encaminhá-los para reciclagem e exigir alternativas menos agressivas e economicamente viáveis dos fabricantes são algumas ações que podem ser tomadas ainda hoje.

Os organizadores do projeto ainda lançaram um desafio: “Entre em qualquer supermercado ou loja de departamentos e tente encher um carrinho de supermercado com produtos específicos que não são feitos, embalados ou rotulados com plástico”.

Caso consiga, saiba que você estará contribuindo com a proteção dos mares, dos animais marinhos e, pelo jeito, de nós mesmos.

*Via EcoDesenvolvimento.

  • Lena

    Seria muito interessante que se fizesse uma campanha, colocando em supermercados (onde há maior “saída” de plásticos) algumas fotos ampliadas (como esta primeira)com frases de impacto. As pessoas precisam ver para crer. Nos supermercados, muita gente coloca duas para embalar um só produto q também já vem no plástico. Na campanha, incentivar a população a levar suas bolsas de palha, tecido e os embaladores arrumarem as compras em caixas. A falta de informação também é tão prejudicial como a de consciência.

  • Na realidade, somos produtos do meio e
    os produtos são colocados no meio, por nós.
    Seja lá qual for a utilização a reciclagem e a
    conscientização nunca serão suficientes,
    para deter essa poluição que alcança níveis alarmantes.
    A melhor opção é a transferência de tecnologia
    para obtenção de plásticos biodegradáveis e
    sua possível aplicação em diversas categorias,
    como brinquedos, sacolas, equipamentos eletrônios,
    copos, garrafas e outras variedades de produtos.
    Essa seria a solução propicia para evitar a poluição
    Um grande abraço a todos

  • Realmente a situação é muito triste.Chegamos ao ponto de estarmos viciados em plástico.Na maioria das vezes levo para o mercado as minhas bolsas de pano.Quando estou sem bolsa,utilizo caixas de papelão para colocar as minhas compras .Procuro os alimentos que não venham embalados,ainda que isso seja muito difícil.E msm assim,ao meu lado a pessoa está pedindo mais e mais plástico.Ainda fica irritada se o empacotador não dá o que ela solicitou.Na maioria das vzs.as pessoas ficam me olhando e talvez até me criticando,achando que estou sendo radical……..Confesso que já utilizei muitas sacolas,porém,sempre fui cuidadosa com o descarte.Procuro fazer um trabalho sério.Muito difícil,é como se vc malhasse em ferro frio.Agora,a sopa de plástico invade nossos oceanos.O mundo está em perigo.

  • Tomara que alguém consiga uma solução.Vou torcer para que este novo trabalho apresente logo um grande resultado.Adoro receber os emails do ecoplanet.Atuais e com ótimas explicações.Abs,Monique Futscher
    mimirabolantes.blogspot.com

  • J. Divino

    Muito interesante a iniciativa, mas infelizmente nos presisamos de ser influenciado por campanhas para fazer o que sabemos que dever ser feito. por exemplo as sacolas de supermercados ate hoje com varios ja comentaram continuam sendo meio de embalagem de produtos que ja são embalados em plasticos, e todos nos sabemos e podemos fazer a nossa parte procurando não utilizar dese recursso sabemos que existe outros tambem eficientes, como o uso de caixas e outros meios diversos que existe, ainda me lembro não faz muito tempo meus avos colocavam as compras de mercados em sacos de algodão ou caixas de papelão.

  • Celso Eduardo

    Uma melhor solução para o descarte do lixo orgânico, seria a colocação de grandes recipientes para se despejar o lixo em todas as quadras das cidades, e o caminhão de coleta trocaria na periodicidade necessária o recipiente por um vazio, e o cheio é levado para usinas de reciclagem ou aterros. Isso poderia eliminar as sacolinhas onde hoje há a cultura de embalar o lixo. Todo o plástico descartado, deveria ser enviado para reciclagem.

  • Rosangela Grillo

    Acredito que uma grande ajuda deveria vir de grandes campanhas das prefeituras estados etc pela coleta seletiva e formação e incentivo das cooperativas de reciclagem,que além de diminuir muito o lixo ainda dá emprego e renda para muitas pessoas.

  • Presisamos ajudar o planea para ser lindo e limpo.

    • é verdade

      • jean

        muinto loco

    eco4planet para você para empresas
 
Quem somos
Na mídia
FAQ
Contato
Home page
Busca padrão
Como divulgar
Anuncie (mediakit)
Embedded
 
 
©2008-2017 eco4planet | Privacidade
©2008-2017 eco4planet | Privacidade