hybrid

Não tem jeito. Se queremos reduzir a emissão de poluentes no trânsito, sair dos combustíveis é a única opção, mas, por outro lado, chegar diretamente aos elétricos é um salto que não vem se mostrando possível no curto prazo. A falta de infraestrutura energética dos países, insuficiência de pontos de recarga rápida, o preço dos veículos e mesmo a autonomia dos carros ainda impede um avanço maior da tecnologia.

Enquanto isso, uma solução intermediária vem ganhando espaço e atenção dos consumidores: os veículos híbridos.

No NAIAS (ou simplesmente "Salão de Detroit"), pudemos conhecer diversos veículos nesta categoria, dentre eles dois criados pela Ford: o novo Fusion Hybrid e o C-MAX Hybrid. Apesar de estarem em diferentes categorias, ambos apresentam um motor 2.0 combinado com o motor elétrico resultando em respeitáveis 188 cavalos de potência, e sem perder na economia – são cerca de 20Km/L (que podem ser ainda maiores a depender do estilo de direção do motorista) contra 9 Km/L na cidade e 14 Km/L na estrada de um modelo tradicional.

 

Tomada é novidade…

Primeiro separemos dois tipos de veículos híbridos, os comuns e os plug-in. Ambos possuem um motor a combustão e outro elétrico, mas os primeiros não precisam ser ligados na tomada, enquanto o segundo grupo dá ao motorista esta opção para que possa completar a carga das baterias a qualquer momento. Apesar de chegarem a uma cavalaria maior e permitirem velocidades mais altas usando apenas o motor elétrico, os híbridos plug-in ainda são novidade e – com preço maior – estão ganhando mercado aos poucos.

As "tomadas" para veículos plug-in são um tanto diferentes

As "tomadas" para veículos plug-in são um tanto diferentes. Foto: Juan Lourenço/eco4planet

 

… e o carro recarrega sozinho …

Para manter as baterias carregadas os veículos híbridos aproveitam a energia gerada pela frenagem (assim como o KERS da Fórmula 1), e também a gerada pelo motor a combustão quando este precisa ser acionado. O acionamento do motor tradicional ocorre em uma aceleração mais abrupta ou acima de determinada velocidade – no caso dos dois veículos da Ford isso se dá ao passar dos 100Km/h, um aumento em relação aos 76Km/h da geração anterior graças, entre outros fatores, à substituição das baterias de NiMH por baterias de íons de lítio, o que também permitiu maior carga em menor quantidade e peso de baterias, e uma vida útil prolongada. Note, ainda, que na versão plug-in o motor elétrico consegue mover o carro a até 136 Km/h, e você não pretende passar disso, certo?

 

… podendo andar por muito tempo …

Combinadas as duas fontes de energia, os veículos prometem mais de 1.000 Km de autonomia, um feito realmente considerável já que carros tradicionais costumam alcançar 400 a 500 Km longe do posto, enquanto os 100% elétricos tem autonomia na casa dos 100 a 300Km.

Vamos lá híbridos, deixem as caminhonetes para trás!

Vamos lá híbridos, deixem as caminhonetes para trás! Foto: Márcio Cimatti/A Janela Laranja

 

… em um silêncio impressionante …

Tive a oportunidade de dirigir um Ford Fusion Hybrid e confirmar o que já havia lido a respeito: o silêncio do veículo é impressionante, dando a sensação de que o carro está desligado, descendo uma ladeira "na banguela", a menos que você pise mais fundo para acionar o motor tradicional. É realmente diferente e agradável.

 

… sendo eco também em outros detalhes

Se a economia de combustível graças a combinação com o motor elétrico já é um ótimo passo, soma-se o uso de estofados de material reciclável e cujo assento/encosto de cabeça inclui espuma de poliuretano de base biológica (gerado a partir de óleo de soja ou outras plantas). Além disso, o motor se desliga automaticamente quando o veículo para (no semáforo, por exemplo), religando ao ser acelerado de forma imperceptível ao motorista, melhorando a eficiência.

Além de econômico, o carro é muito bem construído atraindo até os mais conservadores.

Além de econômico, o carro é muito bem construído atraindo até os mais conservadores. Foto: Juan Lourenço/eco4planet

 

Falaremos mais sobre híbridos, elétricos, novidades de diversas marcas no Salão de Detroit, expectativas para o Brasil e outras curiosidades nas próximas matérias – fique de olho!

 

O eco4planet viajou para Detroit à convite da Ford e descobriu que temperaturas negativas podem ser até aceitáveis, desde que não vente. O vento, este é o problema.

 é o criador do eco4planet, formado em Administração de Empresas pela USP, desenvolvedor e gamer. Otimista nato, calmo por natureza, acredita que informação pode mudar o mundo e que todo pequeno gesto vale a pena. Posta também no Twitter e Facebook.
Veja outros artigos por e escreva também para o eco4planet!
  • Paulo Rêis

    Não entendo por que o governo brasileiro não estimula as montadoras a fabricarem carros híbridos, já que a nossa gasolina é a mais cara da America Latina e de pior qualidade,fazendo com que os carros fiquem menos econômicos.

    • Pois é, vamos falar mais sobre os híbridos e elétricos no Brasil, mas realmente a falta de subsídio governamental é um dos fatores que atrapalham a redução de preços dos carros e consequente aumento na participação das vendas.

  • André Ferreira Lopes

    Realmente os híbridos são uma opção e os elétricos também, porem, a combinação perfeita seria um elétrico com uma célula solar instalada em casa e que ficasse carregando de dia uma bateria enquanto usávamos a outra no carro, um sonho talvez um dia, possível .

  • Pingback: Carros elétricos – Fundamar()

    eco4planet para você para empresas
 
Quem somos
Na mídia
FAQ
Contato
Home page
Busca padrão
Como divulgar
Anuncie (mediakit)
Embedded
 
 
©2008-2017 eco4planet | Privacidade
©2008-2017 eco4planet | Privacidade